Feeds:
Posts
Comentários

O Brasil conquistou duas medalhas de ouro e três de prata na Olimpíada Latino-Americana de Astronomia e Astronáutica (OLAA 2012). O evento aconteceu, entre os dias 9 e 15 de setembro, na cidade de Barranquilla, na Colômbia, e reuniu jovens de oito países da América Latina.

Os medalhistas de ouro foram Amanda Seraphim Pedarnig (Valinhos, SP) e Weslley de Vasconcelos Rodrigues da Silva (Teresina, PI). E os de prata foram Larissa Fernandes de Aquino (Olinda, PE), Luis Fernando Machado PolettiValle (Guarulhos, SP) e Victor Venturi (Campinas, SP). A equipe foi liderada pelos professores e astrônomos João Garcia Canalle e Julio Cesar Klafke. Com esse resultado, o Brasil soma, agora, 10 medalhas de ouro, oito de prata e três de bronze.

– Por meio desse evento, desejamos unir as nações, fomentar e popularizar a astronomia e a astronáutica nos países participantes. A olimpíada também tem o intuito de compartilhar o ensino das ciências espaciais com todos os membros, além de podermos conhecer melhor as diferentes culturas do nosso continente – ressalta Canalle, líder da equipe e coordenador nacional da Olimpíada Brasileira de Astronomia e
Astronáutica (OBA).

Mais informações pelo site  http://www.oba.org.br

 

A Secretaria da Justica, Cidadania e Direitos Humanos promove o curso de Libras aos atendentes do órgão, com o objetivo de facilitar o acesso dos consumidores da Comunidade Surda, ao atendimento prestado pelo Procon.

Esta é uma iniciativa da Superintendência dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SUDEF) e do Centro de Educação em Direitos Humanos JJ Calmon de Passos (CEDH)

Este é um passo que permite que consumidores com deficiência auditiva possam registrar queixas sobre produtos e serviços.

 

O subsecretário de comércio internacional dos Estados Unidos, Francisco Sánchez, participando no Brasil do 10º Circuito Sul-Americano de Feiras Education USA, que teve início nesta segunda-feira, afirmou que o governo americano tem interesse em dobrar o número de brasileiros que queiram estudar em instituições americanas. Sánchez afirmou ainda ser estratégica a relação bilateral Estados Unidos – Brasil e que as instituições de ensino consideram essa relação bastante importante. Afirmativa feita em entrevista ao Grupo Estado.
cerca de 9 mil brasileiros estudam atualmente em instituições americanas, como a Columbia University, a Michigan State University e a University of Florida.

Quarenta propostas, que representam o anseio da sociedade baiana para a construção de uma política nacional de inclusão das pessoas com deficiência, foram elaboradas durante a III Conferencia Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência, que, após três dias de intenso debate (27 a 29 de agosto), foi encerrada, no Centro de Convenções, de maneira vitoriosa. As propostas serão apresentadas por 74 delegados baianos na III Conferencia Nacional que será realizada em Brasília, entre os dias 3 e 6 de dezembro.

Após discussões, a III Conferência, que foi realizada pelo Conselho Estadual dos Direitos da Pessoa com Deficiência (COEDE), com o apoio da Secretaria da Justiça, Cidadania e Direitos Humanos (SJCDH), cumpriu o papel de fomentar o debate da inclusão das pessoas com deficiência. “Conseguimos aprovar um conjunto de propostas que, além de serem encaminhadas para Brasília, também servem para nortear a Bahia na efetivação dos direitos das pessoas com deficiência”, declarou o superintendente dos Direitos da Pessoa com Deficiência (SUDEF), da SJCDH, Alexandre Baroni.

Na abertura do Seminário Internacional Acolhendo Línguas Africanas, a UNEB reafirma, mais uma vez, sua liderança na disseminação da cultura africana e sua influência no Brasil.

A instituição baiana assinou um acordo de intercâmbio e cooperação com a Universidade Agostinho Neto, sediada em Luanda, capital de Angola. A parceria foi firmada na manhã de 29de agosto deste ano,  durante a abertura do IV Seminário Internacional Acolhendo as Línguas Africanas (Siala), no Teatro UNEB, Campus I, em Salvador.

“Este acordo promoverá uma importante troca de conhecimentos entre as culturas africana e brasileira. Vamos realizar intercâmbio de estudantes da graduação e trabalhos acadêmicos entre pesquisadores das duas instituições”, adiantou o reitor da UNEB, Lourisvaldo Valentim.

Também compuseram a mesa de abertura o Secretário Municipal da Reparação (Semur), Adailton Lima, as Ialorixás Mãe Stella de Oxossi, do terreiro Ilê Axé Opô Afonjá, e Mãe Valnizia de Ayrá, do Terreiro do Cobre, a Presidente da Comissão de Científica do Siala, Yeda Pessoa, a Coordenadora desta edição do evento, Leliana Sousa, e o diretor do Departamento de Ciências Humanas (DCH) do Campus I, Antônio Batista.

Cerca de 300 pessoas marcaram presença no primeiro dia do IV Seminário Internacional Acolhendo as Línguas Africanas (Siala), muitas de outras cidades e estados.O evento foi uma realização do Núcleo de Estudos Africanos e Afro-brasileiros em Línguas e Culturas (Ngealc), vinculado à Pró-Reitoria de Extensão (Proex) da UNEB, e conta com o apoio do Centro de Pesquisa em Educação e Desenvolvimento Regional (CPEDR) da Universidade.

O Seminário em Doença Falciforme – Orientação Genética, realizado no auditório da União Metropolitana de Educação e Cultura (Unime), com o tema “Todos tem direito à informação genética”, teve seu último dia, 30 de agosto, marcado por saldos positivos.

O evento promovido pela Secretaria Municipal de Saúde de Lauro de Freitas mostrou que, importância do diagnóstico precoce e a celeridade no início do tratamento, estão diretamente relacionadas a uma melhor qualidade de vida das pessoas com a doença falciforme.

Com cerca de 80% da sua população afrodescendentes, parcela mais atingida pela doença, Lauro de Freitas foi um dos três primeiros municípios baianos a implementar políticas públicas voltadas para esta questão.

Para a médica hematologista Regina Bahia, a família precisa conhecer a doença. “Quando criança, os cuidados devem ser tomados pelos pais. É preciso maior hidratação, evitar exercícios pesados, atentar para queixas de dores”, indica. Para a dentista Claudia Medeiros, a capacitação de todos os profissionais de saúde é fundamental. “Precisamos saber para orientar os pacientes. Com o tratamento adequado eles conseguem viver melhor. Há pacientes que ainda desconhecem onde procurar ajuda. Espero sair daqui  mais habilitada para ajudar essas pessoas”.

O recurso poderá ser útil no encaminhamento de denúncias durante as eleições. Além de espaço para reclamações e sugestões, o Órgão tem sido canal para encaminhamento destes comunicados ao MPE.

Twitter: @oficial_treba

Facebook: http://www.facebook.com/trebahia

Youtube (TV TRE-BA): http://www.youtube.com/tvtreba

 

Em funcionamento desde o dia 14 de agosto deste ano, o novo formulário eletrônico da Ouvidoria do Tribunal Regional Eleitoral da Bahia (TRE-BA) trouxe como novidade para o usuário a possibilidade de anexar arquivos de áudio, vídeo e foto. O recurso poderá ser útil aos que precisarem utilizar o canal para o encaminhamento de denúncias nestas eleições.

 

A Ouvidoria do Tribunal firmou no dia 7 deste mês convênio com o Ministério Público Eleitoral (MPE) oficializando procedimento que já vinha sendo realizado entre os dois órgãos: encaminhar ao MPE denúncias acerca das condutas ilícitas de candidatos, crimes eleitorais ou outras demandas relativas às atribuições do MP encaminhadas pela população.

 

Com o novo formulário, após o preenchimento dos dados, o cidadão deve ficar atento para o código de acesso, que também será enviado por email para futuras consultas da solicitação.

 

Elogie, reclame, sugira. Para garantir a escuta, análise e resposta das demandas relativas à Justiça Eleitoral, como os elogios, reclamações e sugestões, o cidadão deve também preencher o formulário. Ele está disponível no site do TRE-BA (www.tre-ba.jus.br)., no menu “Institucional”, opção “Ouvidoria”.

Uma outra opção é o banner colocado na home page da instituição ou o e-mail ouvidoria@tre-ba.gov.br.

Com a participação dos conferencistas e debatedores internacionais, Américo Kuononoka, do Museu de Antropologia de Luanda, Angola, Adriana Naveda, da Universidade Veracruzana do México e Ineke Phaf-Rheinberger, da Universidade Humboldt, de Berlim, Alemanha, será realizado, nos dias 29, 30 e 31 de agosto, no Teatro da Uneb, Campus I, no bairro do Cabula, em Salvador o IV SIALA – Seminário Internacional Acolhendo as Línguas Africanas, que tem como tema principal “Africanias, Imagens e Linguagens”. Promovido pela Universidade do Estado da Bahia (Uneb) e organizado pelo Núcleo de Estudos Africanos e Afro-brasileiros em Línguas e Culturas (Ngealc), o IV SIALA promoverá palestras, conferências, mesas-redondas, minicursos e exibição de documentários.

Na mesa-redonda “Antropologia Visual e Contemporaneidade”, por exemplo, são convidados o professos da USP Joel Zito Araújo, o diretor do IRDEB, Pola Ribeiro e a professora da UESC Marlucia Mendes da Rocha.

Já o minicurso “A Rainha Jinga – A Rainha Quilombola”, será ministrado pelo professor da USP Carlos Moreira Serrano.

O IV SIALA – Seminário Internacional Acolhendo as Línguas Africanas, tem o objetivo de despertar na comunidade acadêmica brasileira o interesse pelos estudos das línguas e culturas africanas, mostrando a sua importância para a formação e sentido do Brasil, por isso é estruturado em oito eixos temáticos, que discutirão, entre outros temas, a literatura afro brasileira, a relação entre a mídia, políticas públicas e cultura, gênero, sexualidades e linguagens e religiosidades e saberes tradicionais. 

IV SIALA – Seminário Internacional Acolhendo as Línguas Africanas – informações pelo telefone 71 3117-2448. O endereço da Uneb em Salvador é Rua Silveira Martins, 2555, Cabula – CEP: 41.150-000.

      Eixos Temáticos :

1-               Literatura Afro brasileira – Presença negra na literatura brasileira: cultura africana no Brasil; autores e principais tendências. Panorama sobre a literatura infantil e juvenil. Contextualização das literaturas africanas de língua portuguesa: visão geral dos estudos e pesquisas sobre as literaturas africanas;

2-               Mídia, Políticas Públicas e Cultura – Globalização, política e consumo cultural. Mídia, políticas públicas e cidadania;

3-               Processos Identitários e Ensino – Relações entre educação, cultura e sociedade. Processos identitários e representações sociais. Gerações e processos de socialização;

4-               Cultura, Contemporaneidade e Imagens – As relações comunicação e cultura. Midiatização da sociedade e experiência cultural na contemporaneidade Novas formas de sociabilidade Mídia, cultura  e  poder. As relações global / local no mundo globalizado;

5-               Linguagem e Praticas Sociais –  Línguas e identidades culturais Diversidade linguística. Narrativas de aprendizagem e relatos de experiências. A tradição oral em sociedades sem escrita. A organização do pensamento nas sociedades orais. Interações e ações sociais;

6-               Gênero, Sexualidades e Linguagens –  O papel da linguagem na constituição do gênero. O  gênero como uma construção social por meio de interações linguísticas, simbólicas e sociais; 

7-               Linguagem e Antropologia Visual – Linguagem fotográfica e cinematográfica Antropologia Visual. Etnografia, registro audiovisual, fotografia, observação participante;

8-               Religiosidade e Saberes Tradicionais – Contempla abordagens sociológicas e antropológicas da religião além de investigações sobre comunidades tradicionais e patrimônio cultural.

Estudantes indígenas das etnias Ticuna e Kokama participam de oficinas de comunicação na região do Alto Rio Solimões (Amazonas), desta segunda-feira até o dia 13 de novembro. Serão 42 adolescentes indígenas das comunidades de Umariaçu (Tabatinga), Filadélfia (Benjamin Constant) e Colônia São Sebastião (São Paulo de Olivença) que atuarão, posteriormente, como multiplicadores.

A iniciativa é do Fundo das Nações Unidas pela Infância (Unicef), juntamente com parceiros. O objetivo é fortalecer a participação dos jovens indígenas para que ajudem suas comunidades e municípios a enfrentar desafios e buscar soluções em relação a temas relacionados à segurança alimentar e nutricional no contexto indígena, ao direito humano à alimentação adequada e à Convenção nº 169 sobre Povos Indígenas e Tribais da Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Espera-se que, a partir das oficinas de comunicação, os estudantes indígenas sintam-se motivados a contribuir com a promoção, disseminação e mobilizações que fortaleçam a segurança alimentar e nutricional nas comunidades indígenas, na perspectiva dos direitos humanos e dos povos indígenas.

“O Programa Conjunto, por meio das oficinas de comunicação, pretende fortalecer a participação dos jovens indígenas como agentes capazes de ajudar a promover mudanças em suas comunidades”, destaca a coordenadora do programa, Cristina Albuquerque.

O Prêmio Jornalistas & Cia / HSBC de Imprensa e Sustentabilidade encerra suas inscrições às 23h59 minutos do dia 5 de setembro.

A inscrição e o envio dos trabalhos devem ser feitos no site www.premiojornalistasecia.com.br

Podem participar trabalhos de jornal, revista, rádio, televisão, internet, fotografia e criação gráfica. Exclusivamente neste ano, há ainda a categoria Rio+20, para trabalhos que tenham como pano de fundo a cobertura do evento.

O prazo de publicação ou veiculação é entre 1º de setembro de 2011 e 31 de agosto de 2012 e os trabalhos devem abordar temas de Sustentabilidade em seus eixos ambiental, social e/ou econômico, o que envolve meio ambiente, economia, sociedade, quando se relacionam com a busca por uma vida e um planeta melhores.

O prêmio, que distribuirá aos profissionais de imprensa R$ 102 mil (líquidos), tem a categoria Mídia Nacional, que premiará os segmentos Jornal, Revista, Rádio, Televisão, Internet (cada um com R$ 10 mil líquidos) e Imagem, esta dividida em Fotografia e Criação Gráfica (cada um com R$ 6 mil líquidos).

Mídia Regional premiará quatro segmentos que contemplam todos os estados brasileiros (cada um com R$ 5 mil líquidos). Além delas, há premiações para a categoria Rio+20 (com R$ 10 mil líquidos) e o Grande Prêmio (também com R$ 10 mil líquidos), este concedido a um dos ganhadores de Mídia Nacional, anunciado apenas na entrega da premiação, que acumulará os dois prêmios em dinheiro.

Confira no site o regulamento e como participar e se precisar de outros esclarecimentos envie e-mail para a coordenadora do Prêmio, Lena Miessva (premio@jornalistasecia.com.br) ou entre em contato com ela pelo telefone 11-2679-6994.